DISCIPLINA

 

GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE AMBIENTAL

 

CARGA HORÁRIA

 

Teórica

Prática

Total

Créditos

 

30 horas

30 horas

60 horas

3 créditos

 

UNIDADE ACADÊMICA OFERTANTE:

SIGLA:

 

Programa de Pós-graduação em Geografia – Instituto de Geografia, História e Documentação

POSGEO-IGHD

 

 

 
 

EMENTA

   

 

 

 

O curso visa fornecer meios para o debate sobre as questões epistemológica/metodológica sob a perspectiva dos trabalhos de pesquisa desenvolvidos pela Geomorfologia na Geografia. Seu foco relacionado ao papel da Geomorfologia nas questões ambientais destaca os pontos de interesse do fazer geomorfológico que se interagem diretamente com a análise e síntese do meio físico, levando em consideração o contexto das interações sociedade natureza. Os estudos serão permeados pela abordagem geográfica da pesquisa ambiental, enfatizando a importância da Geomorfologia e da Cartografia geomorfológica.

 
 
 
 

 

 

 

 
 

BIBLIOGRAFIA

   

 

 

 

LEFF, E. Epistemologia Ambiental. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2006. Tradução de Sandra Valenzuela.

PEULVAST, J. P. ; SALE. V. C. Aplainamento e Geodinâmica: Revisitando um problema clássico em Geomorfologia. Mercator. 2002.  

SEVERO, A.; FOLETO, E. Diálogos em Geografia Física. Santa Maria: Ed. da UFSM. 2011. 

VITTE, A. C & GUERRA, A. J. T (Org). Reflexões sobre a Geografia Física no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

VITTE, A. C. Etchplanação dinâmica e episódica nos trópicos quentes e úmidos. Rev. do Dep. de Geografia, UNICAMP – Campinas, 16, 2005.

DE LEMES, A. I.; GALVANI, E (Organizadores). Geografia, tradições e perspectivas: A presença de Pierre Monbeig. Buenos Aires; São Paulo: CLACSO, Expressão Popular. 2009.

AB’ SABER, A. N. Um conceito de Geomorfologia a Serviço das Pesquisas sobre o Quaternário. Geomorfologia, n° 18 – IGEOG – USP. São Paulo. 1969.

______________. Os domínios de Natureza no Brasil: Pontencialidades Paisagísticas. São Paulo. Ateliê Editorial. 2003.

CASTRO, S. S de & SALOMÃO, F. X de T. Compartimentação morfológica e sua aplicação: Considerações metodológicas. Revista GEOUSP. n° 7. 2000.

DE NARDIN, D. Zoneamento Geoambiental no oeste do Rio Grande do Sul: Um estudo em bacias hidrográficas. Portp Alegre - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Dissertação de Mestrado. 2009.

FUSALBA, J. P. El concepto de paisaje y su aplicación en el planeamiento terrritorial y ambiental. In: Geografia, tradições e perspectivas: Interdiciplinariedade, meio ambiente e representações. Lemos, A, I, G; Galvani, E (Organizadores). São Paulo: Expressão Popular, 2009. 

GERASIMQV, I. Problemas Metodológicos de Ecologizacion de la Ciência Contempoãnea. In La Sociedad el Sociedad el Medio Natural. Editorial Progresso, Moscou. 1980.

GREGORY, K. J. A natureza da Geografia Física. Bertrand Brasil S.A. São Paulo. 1992.KLIMASZEWSKI, M. Mapa geomorfológico de detalhe. ITC journal, 1982.

KOHLER, H. C. A escala na análise Geomorfológica. Rev. Brasileira de Geomorfologia, Vol. 2. N 1 (2001).MARTINELLI, M. Cartografia Ambiental: Uma Cartografia diferente. Revista do Departamento de Geografia, n°. FFLCH – USP, São Paulo.

MONTEIRO, C. A de F. Geossistemas: A história de uma procura. São Paulo: Contexto. 2000.

MOREIRA, R. O Pensamento Geográfico Brasileiro: As matrizes Clássicas Originárias. São Paulo: Contexto, 2008. 

OLIVEIRA, M. C de. Paisagem, Meio Ambiente e Planejamento. Rev. IG. São Paulo, 4 (1/2): 67 – 78. 1983.

RODRIGUES, C. A teoria geossistêmica e sua contribuição aos estudos geográficos e ambientais. Rev. do Dep. de Geografia, 14. 2002. 

ROHDENBURG, H. Landscape Ecology, Geomorfology. CATENA: Paperback. 1986.

ROSS, J. L. S. Geomorfologia: Ambiente e Planejamento. Editora Contexto, São Paulo. 1990.

___________. O registro Cartográfico dos Fatos Geomórficos e a Questão da Taxonomia do Relevo. Revista do Departamento de Geografia, n° 6. FFLCH – USP, São Paulo. 1992.

___________. Análise Empírica da Fragilidade de Ambientes Naturais e Antropizados. Revista do Departamento de Geografia, n° 8. FFLCH – USP, São Paulo. 1994.

___________. Ecogeografia do Brasil: Subsídios para o planejamento ambiental. São Paulo: Oficina de Textos, 2006.

SEVERO, A.; FOLETO, E. Diálogos em Geografia Física. Santa Maria: Ed. da UFSM. 2011. 

TRICART, J. Ecogeography and Rural Manegement, UK, Longman Scietific & Technical, Paris. 1992.

TROPPMAIR, H. A importância de cartas geomorfológicas em estudos ambientais. Geografia. 5 (9 – 10): 97 – 102. 1980.

VENTURI, L. A. B. A técnica e a observação na Pesquisa. In Geografia: Práticas de campo, laboratório e sala de aula. São Paulo: Editora Sarandi. 2011.

ZONNEVELD, I. D. The Land Unit: A fundamental Concept in Landscape Ecology, and its application. Landscape Ecology, col 3. n° 2. 1989.

 
 
 
 
 
 
 

Defesas

Não há eventos programados!