DISCIPLINA

 

GEOGRAFIA AGRÁRIA

 

CARGA HORÁRIA

 

Teórica

Prática

Total

Créditos

 

30 horas

30 horas

60 horas

3 créditos

 

UNIDADE ACADÊMICA OFERTANTE:

SIGLA:

 

Programa de Pós-graduação em Geografia – Instituto de Geografia, História e Documentação

POSGEO-IGHD

 

 

 
 

EMENTA

   

 

 

 

1- Aportes Teóricos da Geografia Agrária. 2- Transformações na agropecuária e a questão campo - cidade. 3-Os impactos da globalização e integração econômica na agricultura. 4– Relações de produção e de trabalho no campo. 5-O território e sua gestão: redes e representações no espaço rural. 6-Estrutura agrária, conflitos sociais e questão política. 7- Agropecuária e Impactos Socioambientais.

 
 
 
 

 

 

 

 
 

BIBLIOGRAFIA

   

 

 

 

ABRAMOVAY, R. Paradigma do capitalismo agrário em questão. Campinas: Hucitec, Anpocs, Ed. da Unicamp, 1992.

ALENTEJANO, P. R. R. Os movimentos sociais e a teoria geográfica. In: MARAFON, G. J. et al.(orgs.). Abordagens teórico-metodológicas em geografia agrária. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2007.

BERNARDES, J. A. Circuitos espaciais da produção na fronteira agrícola moderna: BR163 matogrossense. In: BERNARDES, J. A. et al. (orgs.). Geografias da soja: BR163, fronteiras em mutação. Rio de Janeiro: Arquimedes Edições, 2006.

CHAYANOV, A. V. La organización de launidad económica campesina. Buenos Aires: Nueva Visión, (1925) 1974.

ELIAS, D. Agronegócio e desigualdades socioespaciais. In: ELIAS, D.; PEQUENO, R. (orgs.). Difusão do agronegócio e novas dinâmicas socioespaciais. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2006.

GRAZIANO da SILVA, J. O Novo rural Brasileiro. Campinas: Unicamp, 1999

KAGEYAMA, A. A questão agrária brasileira: interpretações clássicas. Revista da ABRA. v.23, n.3, set./dez. 1993. p. 5-16. Disponível em :<www.reformaagraria.org>.

KAUTSKY, K. A questão agrária. São Paulo: Nova Cultural, 1986 [1899].

LAMARCHE, H. Pauvretépaysanne, sous-alimentation et avenir de l’humanité. Briefings surledéveloppement rural – Une série de débatsorganisés à Bruxellessurdesquestions de développement ACP-EU. Bruxelas, 2007.

_____. Por uma teoria da agricultura familiar. In: A agricultura familiar: do mito à realidade. Campinas: Editora da Unicamp, 1998.

NERA – NÚCLEO DE ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS DE REFORMA AGRÁRIA. DATALUTA – Banco de dados da luta pela terra. Presidente Prudente: NERA/Unesp. Disponível em: <www.fct.unesp.br/nera>.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. Geografia da riqueza, fome e meio ambiente. In: MARQUES, Marta e OLIVEIRA, Ariovaldo (orgs.), O campo no século XXI: território de vida, de luta e de construção da justiça social. São Paulo, 2004. (p.207-253)

ROSSETTO, Onélia Carmem (b).   Produção do Espaço Agrário no Estado de Mato Grosso e o Processo de Concentração de Terras no Pantanal Norte Mato-Grossense. In: ROSSETTO, Onélia Carmem. TOCANTINS, Nely (Orgs.). Ambiente Agrário do Pantanal Brasileiro: Socioeconomia& Conservação da Biodiversidade. Editora Compasso & Lugar, Cultura. Porto Alegre, 2015. Disponível em: <http://issuu.com/imprensa.livre/docs/pantanal_parte_1http://issuu.com/imprensa.livre/docs/pantanal_parte_2>. Acesso em 14 de novembro de 2017.

SHANIN, T. A definição de camponês: conceituações e desconceituações – o velho e o novo em uma discussão marxista. [1980]. Revista NERA. Ano 8, n.7, jul./dez. 2005. Presidente Prudente: NERA, 2005. p.1-21.

VEIGA, J. E. da. Metamorfose da política agrícola dos Estados Unidos. São Paulo: Annablume/FAPESP, 1994.

 
 
 
 

Defesas

Não há eventos programados!